Encontro-me em desconfiguração. Assisti Piaf, e vi o que é uma atriz. Uma atriz fazendo escolhas, uma atriz vivendo e fazendo o outro viver. Saí do cinema um lixo, soluçava, ria de constrangimento, estava completamente descompensada, desconfigurada. A história é triste, emocionante.... mas, não foi isso que me tocou. Fiquei profundamente emocionada em ver o trabalho dessa atriz, pude no momento em que assistia ao filme, me preencher de desejos como atriz. Desejo viver essa intensidade, desejo evocar essa intensidade no mundo, essa mulher fez isso!! Tudo bem que vivo um momento bem sensível e suscetível, acho que sou capaz de chorar com um comercial, mas esse momento só soma, só pontecializa esse filme. Saí apaixonada, apaixonada pela minha profissão, apaixonada pela vida, apaixonada por estar viva - apaixonada por estar viva e assim me permitir ansiedade, sofrimento, angustia, paixão, incerteza, plenitude, insatisfação, satisfação, certeza, incerteza, esperança, desejo... Vivo com desejo, vivo com medo, vivo na vida, vivo. Hoje me encontro desconfigurada, porque a cada dia me reconheço menos, e me percebo mais. Hoje depois de um bom tempo estou me permitindo olhar para outro, apesar do meu discurso egoísta, reservado - me permito no outro.

3 comentários:

Izabela Alvez disse...

Olhar para o outro pode ser embriagante... Que bom que vc tem se permitido no outro.
Vc por exemplo Di: seus textos me comovem. Sinto que vc tem um turbilhão de emoções pra compartilhar. Sua reserva é um direito, mas ao mesmo tempo é um desperdício...
Bjinhos

Izabela Alvez disse...

Por falar em "mergulhar no outro", acho que vc vai gostar: entre em
http://www.whitehouseanimationinc.com/kunstbar.htm. Muito boa a animação!

Sociopata disse...

Cada vez`mais acho que a desconfiguração deve ter manutenção regular. quando ver que configurou, dá um reset. Bjo!

remo